Instituto Mamirauá - Conservação na Amazônia - Em congresso internacional, Instituto Mamirauá apresenta pesquisa sobre espécie de macaco da Amazônia ameaçada de extinção - https://www.mamiraua.org.br/pt-br/comunicacao/noticias/2018/8/27/em-congresso-internacional-instituto-mamiraua-apresenta-pesquisa-sobre-especie-de-macaco-da-amazonia-ameacada-de-extincao/

Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá

Notícias

Rafael Forte

Em congresso internacional, Instituto Mamirauá apresenta pesquisa sobre espécie de macaco da Amazônia ameaçada de extinção

27/08/2018


Palestra sobre macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta, primata com a menor distribuição geográfica das Américas, foi dada pela pesquisadora Fernanda Paim

De volta à África depois de cinco edições, o congresso da Sociedade Internacional de Primatologia (IPS) reuniu cerca de 1.000 pessoas em Nairóbi, Quênia. Especialistas e entusiastas do tema, ao redor do planeta, participaram da programação, que aconteceu entre 19 e 25 de agosto. Da Amazônia brasileira, o Instituto Mamirauá trouxe recentes resultados em projetos de conservação de primatas. A pesquisadora Fernanda Paim apresentou uma palestra sobre o monitoramento de uma espécie da região sob ameaça: o macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta (Saimiri vanzolinii).

Habitante das florestas alagáveis da Amazônia Central, o macaco-de-cheiro-de-cabeça-preta é a espécie com a menor distribuição geográfica entre todos os macacos da América. O pequeno macaco é somente encontrado na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá, onde o instituto realiza pesquisas sobre a ecologia e conservação de primatas, incluindo o Saimiri vanzolinii. Fernanda Paim dedicou os últimos anos ao monitoramento do animal, visando a continuidade da espécie em natureza.

De acordo com a primatóloga, participar do congresso com uma palestra sobre o tema é importante para “mostrar ao público e ao mundo a importância de se desenvolver um trabalho de monitoramento com a espécie ameaçada, o Saimiri vanzolinii, e a efetividade de uma unidade de conservação na proteção a essa espécie”.

“É fundamental a realização de eventos como esse, porque estabelecemos conexões e desenvolvemos parcerias. É uma troca, eu aprendo muito com todos e o fato do meu trabalho realizado na Amazônia poder contribuir com trabalhos de pesquisadores vindos de outras regiões do mundo é muito gratificante”, complementa a pesquisadora do Instituto Mamirauá, unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Sobre o congresso

O Congresso Internacional da Sociedade Internacional de Primatologia (IPS) é um dos maiores eventos em estudos de primatas no planeta. Realizado a cada dois anos, o congresso está em sua 27ª edição, com foco em discussões sobre a biologia e a ecologia de espécies de macacos e a conservação dos primatas. Saiba mais.

Texto: João Cunha

 

Financiadores