Sementes de plantas da várzea podem herdar ‘memória’ para sobreviver na água

Publicado em: 20 de agosto de 2019

Pesquisadora de Minas Gerais analisa capacidade de sobrevivência e também possível dependência da água por espécies do ecossistema alagável

É preciso olhar para cima para perceber a beleza grandiosa do mulateiro (Calycophyllum sprunceanum), árvore cujo tronco esbelto se direciona reto ao céu, como quem tem firmeza. Lá, sua copa resplandece. Seus galhos espalham-se pelos lados, sem temer tomar espaço em meio às florestas de um dos principais biomas do Planeta Terra: a Amazônia.

Todo ano, o mês de fevereiro chega junto com o gradual avanço das águas transitórias da várzea, ecossistema alagável que mantém durante cerca de metade do ano uma região inteira da floresta amazônica alagada. O mulateiro e outras milhares de espécies formam a densidão de copas que cobre a água da várzea, rica em nutrientes e uma das responsáveis pela biodiversidade da área.

Agrônoma e professora da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) há mais de 25 anos, Denise Santana foi impulsionada pela transitoriedade da própria vida, até Tefé, no Amazonas, onde vai passar dois anos de sua vida analisando espécies de plantas que vivem nas florestas alagadas. 

A pesquisadora tem verdadeiro fascínio pelas sementes. Pelos mistérios delas, principalmente. 

Acredita que essas plantas, adaptadas ao vaivém da água, podem ter uma relação mais complexa e que vai além do consenso estabelecido pela comunidade científica de que a água serve apenas como ferramenta de dispersão das sementes.

Entusiasma-se ao mostrar as dez diferentes espécies objeto de seus estudos, que buscam provar que as plantas da várzea, além das mais diversas formas, flores e mecanismos de sobrevivência, têm algo em comum: memória.

Memória hídrica foi como denominou Denise, inspirada por uma apresentação de iniciação científica que assistiu há mais de 20 anos de um trabalho intitulado ‘a natação dos peixes’, nome que rendeu uma sala cheia de espectadores - entre eles, a professora que, mais de duas décadas depois, se inspirou naquele título de pesquisa para formular um termo acessível como, ela acredita, a ciência deve ser.


Sementes de jitó (Foto: Bernardo Oliveira)
Espécies lançam sementes na época da cheia (Foto: Bernardo Oliveira)
Pesquisadora trabalha com hipótese de 'memória' hídrica (Foto: Bernardo Oliveira)
Sementes de mulateiro (Foto: Bernardo Oliveira)

 A memória hídrica

O mulateiro, constatou Denise, decide dispersar suas sementes apenas quando começa a cheia e a água começa a subir. Nela, as pequenas sementes se transformam em plântulas que meses depois, com a seca, vão fixar no solo e crescer para, como sua planta gestora, se espalhar no alto. 

“As plantas devem guardar memória do tempo em que a árvore estava submersa. Caso contrário, só dispersaria suas sementes na seca. Ela sabe que suas sementes vão sobreviver e até se desenvolver naquela condição”, afirma.

A planta-mãe passa a informação para a semente, que se transforma em plântula, que se transforma em planta-mãe. Como as estações do ano e a água da várzea, o ciclo se repete.

Denise mostra plântulas do mulateiro: lembram pequenas ‘florestinhas’, como uma vegetação arbustiva.

Uma das plântulas no laboratório, germinada sob a areia e a outra, sob a água. Esta última, um tanto mais forte, de raízes mais sofisticadas. “Um sistema radicular mais desenvolvido”, define a cientista, que acredita que mais do que agente de dispersão, a água pode ser essencial para o desenvolvimento completo de algumas espécies da região.

A essencialidade da água ainda será posta à prova durante as investigações, mas uma coisa é certa: as plantas desenvolveram mecanismos um tanto sofisticados para sobreviverem em um ambiente como a várzea. Podem ter a memória como explicação.

Sobrevivência na água

Espécies como o assacu (Hura crepitans), desenvolvem bolsas de ar, que, de acordo com a pesquisadora, são o suficiente para a sobrevivência da espécie durante o período de alagamento. 

“É uma memória menos técnica porque conta a história de vida da planta-mãe. Isso vem desse tempo de vivência na água. A semente não tem o tempo suficiente para pensar numa estratégia boa para sobreviver nessas condições. Ela guarda informações repassadas pela planta-mãe, que já passou por aquilo, para sobreviver. São sementes com mais quantidade de cera, com bolsas de ar, entre outras estratégias. ”

Algumas sementes chegam a ficar submersas até a época da seca, quando germinam na terra. “Já se a gente deixar qualquer outra semente não aquática, como soja e milho, submersa, morre rápido”, afirma. 

O tempo que a semente sobrevive dentro da água, de acordo com a agrônoma, pode ser uma das evidências dessa memória. Afinal, se a semente não ‘soubesse’ que a seca viria, não resistiria às bravas condições de falta de oxigênio que faz outras espécies sucumbirem por anoxia. 

Em suas expedições nas reservas de desenvolvimento sustentável Mamirauá e Amanã, Denise conta com a ajuda de Mário, ribeirinho e assistente de campo. Mário entende os gostos das plantas, e avisa sobre o que sabe: “Louro-inamuí afunda, capitari flutua e a macarecuia gosta de época seca, que é quando o fruto cai”. Denise considera de grande valia o conhecimento tradicional compartilhado pelo comunitário e mantém com ele, como define, “um canal permanente de escuta”.

Espécies com potencial madeireiro

A pesquisadora escolheu as espécies de seu estudo baseada em suas potencialidades de manejo florestal. Os resultados das pesquisas também irão servir de contribuição para a extração sustentável da madeira da Amazônia.

“Além do manejo florestal na região, nós não podemos descartar a possibilidade de termos plantações comerciais dessas plantas”, complementa.

A agrônoma também irá desenvolver um protocolo de germinação de sementes sobre a água que será enviado para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), onde passará por um processo de validação. “O ministério faz um teste com a plântula e com base naquilo que germinou, ele e envia essa metodologia para laboratórios. Assim que for comprovada a eficácia, então uma instrução normativa validando a espécie será publicada e permitirá o comércio legal das sementes, à semelhança das culturas agrícolas”, explica. 

Denise realiza a pesquisa com o apoio do Grupo de Pesquisa em Ecologia Florestal do Instituto Mamirauá, organização social fomentada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Texto: Júlia de Freitas


Últimas Notícias

Comentários

Receba as novidade em seu e-mail: