Semana de Meio Ambiente atrai mil pessoas em Uarini (AM)

Publicado em: 11 de junho de 2014

Aprender brincando foi o lema da 12ª Semana de Meio Ambiente promovida pelo Instituto Mamirauá. O evento ocorreu entre os dias 03 e 05 de junho em Uarini com atividades lúdicas de educação ambiental e exposições que atraíram cerca de mil pessoas. A edição deste ano segue a temática “Agricultura Familiar”, em conformidade com a política internacional da ONU - que declarou 2014 como o ano internacional do tema.
 
Ao longo de dois primeiros dias, sete instituições de ensino de Uarini participaram das atividades lúdicas. No terceiro dia, estudantes, professores, agentes ambientais, técnicos e pesquisadores se reuniram em uma “Caminhada Ecológica” pelas ruas da cidade. O conjunto de ações visou sensibilizar os diversos setores da sociedade sobre a importância da conservação ambiental através de boas práticas de agricultura familiar que garantam a segurança alimentar e nutricional da população (o município de Uarini é um dos maiores produtores da farinha "ova", alimento básico da cozinha amazonense).
 
Brincar de aprender 
Tornar temas como biodiversidade e conservação acessíveis para crianças é um desafio para educadores. Por isso, o Programa de Gestão Comunitária do Instituto Mamirauá desenvolveu jogos com temas ambientais para as crianças aprenderem enquanto brincam. 
 
O educador ambiental do Instituto Mamirauá, Sandro Augusto Regatieri, explicou que a construção do evento começou no início do ano e um dos focos era o desenvolvimento de atividades lúdicas. “Jogos ecológicos foram criados dentro da perspectiva do uso múltiplo da floresta e entendimento dos ecossistemas, da agricultura familiar e dos sistemas agroflorestais”, explicou Sandro.
 
Na “Trilha Ecológica”, um dos jogos que mais fez sucesso, as crianças precisam atravessar um tabuleiro em tamanho real com desafios e informações sobre ecologia e sustentabilidade. Dois jogos da memória ajudaram os pequenos a compreender as diferenças entre os animais da Amazônia e a importância de algumas espécies para o ecossistema. No “Jogo dos Erros e Acertos” o desafio era identificar as ações sustentáveis entre imagens que representavam o cotidiano das pessoas. Outra brincadeira que ganhou destaque foi o quebra-cabeça sobre Agroecossistemas, as peças representavam diversos sistemas sustentáveis de produção de alimentos – desde os sistemas agroflorestais, pecuária sustentável e a produção de mel, ajudando as crianças e adolescentes a perceberem a integração entre os sistemas de produção.
 
As exposições dos programas de pesquisa e manejo do Instituto Mamirauá abordaram diversos aspectos. O Programa de Manejo de Pesca apresentou exemplares taxidermizados de peixes da região e as crianças puderam interagir e conhecer melhor as espécies – como o bacu-pedra, aruanã, bagres e peixes miúdos. Os botos e peixes-boi foram apresentados pelo Grupo de Pesquisa em Ecologia de Vertebrados Terrestres e Mamíferos Aquáticos Amazônicos. A equipe presente expôs espécies taxidermizadas de aves e mamíferos do grupo de pesquisas de Vertebrados Terrestres. 
 
Maquetes da Pousada Uacari, trilhas do manejo florestal comunitário e exemplares de tecnologias de energia fotovoltaica apresentadas respectivamente pelos programas de Turismo de Base Comunitária, Gestão Comunitária e de Qualidade de Vida foram instrumentos usados para explicar de forma simples como explorar recursos naturais de maneira sustentável.
 
Por Everson Tavares.
 

 

Últimas Notícias

Comentários

Receba as novidade em seu e-mail: