Projeto Caranguejo-Uçá finaliza semestre no Pará com mais de 160 beneficiados

Publicado em:  7 de agosto de 2019

Com o objetivo de melhorar a cadeia produtiva do caranguejo-uçá no Pará, o Projeto Caranguejo-Uçá chegou ao fim do semestre com um saldo de 11 comunidades beneficiadas por cursos e atividades. Ao total, foram 12 cursos que atingiram cerca de 130 pescadores e 30 comerciantes e atravessadores de cinco municípios do estado do Pará. O projeto é financiado pela Fundação Gordon e Betty Moore e conta com o apoio do Instituto Mamirauá.

Os cursos de extensão pesqueira sobre o transporte do caranguejo e palestras e rodas de conversa sobre a produção extrativista aconteceram em comunidades de municípios de Bragança, Viseu, São João da Ponta, Curuçá e Augusto Correa, que abrangem três reservas extrativistas (RESEX).

“A gente ficou bastante satisfeito com o resultado”, resume o sociólogo e coordenador do Programa Raízes da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do estado do Pará (SEJUD/PA). “A gente trabalha com os pescadores desde 2013 e nesse semestre conseguimos abranger novas áreas, onde não se conhecia muito nosso trabalho. Além disso, também pudemos incluir atravessadores e comerciantes em nossos cursos, o que mostra que o projeto está evoluindo ao ter contato com novos agentes produtivos da cadeia do caranguejo”, explica.

Os comerciantes e atravessadores tomaram conhecimento das capacitações através de articulação de lideranças locais. “Com essa inclusão, a gente se dá conta que aquele material do curso é importante para eles também - para aumentar a rede dele e estreitar laços”, afirma o sociólogo.

Outro bom sinal, avalia Passos, é que a demanda das comunidades pelas capacitações foi maior do que esperada. “Mostrou que os que profissionais atuam na cadeia produtiva do caranguejo tem interesse nessa articulação”, diz.

 Além do Instituto Mamirauá e da Fundação Gordon e Betty Moore, o projeto também contou com apoio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca - SEDAP, Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos - SEJUDH e Comissão Nacional de Fortalecimento das Resex Marinhas - CONFREM.

Instituto Mamirauá e manejo de caranguejo

Desde 2013, o Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá apoia o manejo de caranguejos-uçá no Pará. O projeto assessora o transporte dos animais até o consumidor com o uso da basqueta, uma espécie de espuma que mantém os caranguejos hidratados, ao mesmo tempo que reduz as perdas durante o transporte. A tecnologia permitiu que a mortalidade de caranguejos no caminho até o consumidor caísse de 50% para 1,8%.

Para as capacitações com a basqueta, o Instituto Mamirauá, organização social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, (MCTIC) lançou o protocolo “Manejo do caranguejo-uçá: o método de embalagem para o transporte sustentável”, disponível para download aqui. O trabalho do instituto com o manejo de caranguejo é realizado graças ao apoio da Fundação Gordon e Betty Moore.

Texto: Júlia de Freitas

Últimas Notícias

Comentários

Receba as novidade em seu e-mail: