Michael Goulding doa mais de 1400 obras de acervo pessoal à biblioteca do Instituto Mamirauá

Publicado em: 26 de de 2017

A floresta amazônica é a principal cobertura vegetal do Brasil. Importantes espécies da fauna e da flora podem ser observadas no complexo ecossistema de várzea. O rico ecossistema é tema da maior parte das obras doadas por Michael Goulding à biblioteca do Instituto Mamirauá, Henry Walter Bates. Os livros fazem parte do acervo pessoal do pesquisador e entre eles estão algumas obras raras, tais como primeiras edições e livros do século XIX.

Goulding possui uma relação de proximidade com a Amazônia, sendo autor e co-autor de livros sobre a história natural e ecologia dos rios da região.  Em “História natural dos rios amazônicos” publicado em 1997, o pesquisador cita o empenho de José Márcio Ayres, primeiro Diretor Geral do Instituto Mamirauá, em estabelecer a Reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. Segundo ele, área de várzea protegida mais importante na Amazônia. 

De acordo com Graciete Rolim, bibliotecária do Instituto Mamirauá, entre as obras cedidas por Gouding, estão 70 livros muito bem conservados do século XIX. “São livros riquíssimos, principalmente historicamente. Um dos livros da lista é a primeira edição do livro The naturalist on the river Amazon. A record of adventures, habits of animals, sketches of brazilian and indian life, and aspects of nature under the equator, during eleven years of travel, de Henry W. Bates”.

Publicada pela primeira vez em Londres, no ano de 1863, a obra de Bates é uma das mais reconhecidas sobre a Amazônia e relata a experiência do naturalista na região, os costumes dos habitantes, aspectos da natureza, entre outros.

Outra valiosa obra da lista é a primeira edição do livro narrative of travels on the Amazon and Rio Negro, with an account of the native tribes and observations on the climategeology, and natural history of the amazon valley, de Alfred Wallace, publicada em 1853.

Um especialista em rios amazônicos

Michael Goulding é uma referência quando se fala dos rios amazônicos e sua biodiversidade. Doutor pela UCLA, Goulding trabalha há mais de 30 anos com a temática amazônicas, passando por instituições como o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e pelo Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG). Também trabalhou como diretor científico em filmes de história natural da Amazônia produzidos pela BBC, National Geographic, ABC e Partridge Films.

Coleção Michael Goulding

Segundo a bibliotecária do Instituto Mamirauá, as obras doadas serão catalogadas em uma coleção intitulada Michael Goulding. As obras não estarão disponíveis para empréstimo, mas poderão ser consultadas na biblioteca do Instituto Mamirauá. 

A biblioteca do Instituto Mamirauá, unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e Comunicações (MCTIC), possui também uma coleção com o nome de José Márcio Ayres. Na coleção constam obras que pertenciam ao acervo pessoal do primatólogo e que foram doadas por seus pais.  Outra coleção da biblioteca leva o nome da antropóloga Deborah Lima.

A doação de livros para a Coleção Michael Goulding teve apoio da Fundação Gordon and Betty Moore.

Biblioteca Henry Walter Bates

A biblioteca Henry Walter Bates possui um vasto acervo nas áreas de meio ambiente, Ecologia, Zoologia, Botânica e desenvolvimento sustentável. Criada para dar suporte às pesquisas desenvolvidas no Instituto Mamirauá e, ao público em geral, a biblioteca reúne livros, teses, dissertações, monografias, entre outros.

A biblioteca recebe este nome em homenagem ao naturalista inglês Henry Walter Bates. Bates permaneceu na Amazônia por cerca de 11 anos e seu trabalho tem uma enorme importância na história da Biologia. O naturalista trabalhou com a catalogação de uma grande quantidade de espécies, em especial insetos, sendo o responsável pela descoberta de pelo menos oito mil delas.

Texto: Laís Maia 

Últimas Notícias

Comentários

Receba as novidade em seu e-mail: