Instituto Mamirauá vence Prêmio José Reis de Divulgação Científica e Tecnológica 2018

Publicado em: 22 de maio de 2018

Depois de mais de 30 anos, prêmio concedido anualmente pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) volta à região Norte. É a primeira vez que uma instituição do estado do Amazonas é reconhecida.

O Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá é o vencedor do Prêmio José Reis de Divulgação Científica e Tecnológica 2018, promovido anualmente pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). O anúncio foi feito ontem pelo CNPq, que recebeu 37 inscrições ao prêmio. A premiação ocorrerá em julho, durante a abertura da Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que será realizada na Universidade Federal do Alagoas, em Maceió. Além disso, o dirigente ou representante da instituição ou do veículo de comunicação ministrará conferência na programação do evento.

“Para nós, receber o Prêmio José Reis trouxe muita satisfação e orgulho, porque já é um prêmio de muita reputação no Brasil, e realizamos ações de divulgação da ciência numa região que é particularmente desafiadora. Atuamos no interior da Amazônia, em pequenas cidades e comunidades ribeirinhas. E receber um prêmio desse tipo significa que estamos conseguindo realizar essa divulgação científica e tecnológica de forma eficiente. É um sinal de que estamos no caminho certo”, afirmou o diretor do Instituto Mamirauá, Helder Lima de Queiroz.

Segundo informações do CNPq, a Comissão Julgadora destacou as ações do Instituto que, mesmo com duas décadas de existência, atua com ineditismo, promovendo a inclusão social, com protagonismo das comunidades locais ao articular suas ações com essa população, além do caráter regional e internacional das iniciativas. “A qualidade das ações de divulgação científica está na produção de conhecimentos articulada à divulgação científica e aos saberes locais”, apontaram os membros da comissão. A escolha foi unânime, informou o Diretor de Cooperação Institucional do CNPq, Dr. José Ricardo de Santana, ao Diretor Geral do Instituto Mamirauá, Dr. Helder Lima de Queiroz, que recebeu a notícia por telefone na última sexta-feira, dia 18 de maio.

A documentação organizada pelo Instituto Mamirauá para concorrer ao Prêmio José Reis reuniu informações sobre as estratégias institucionais de divulgação científica, que envolve várias áreas da instituição. O documento completo pode ser visto aqui, e envolve:

- Produção científica: a produção científica é um dos componentes mais importantes conduzidos pelo Instituto Mamirauá. Entre 2011 e 2017, a instituição fortaleceu os grupos de pesquisas, atualmente são oito, e consolidou sua produtividade científica. Em 2011, forma publicados 27 artigos, e, em 2017, esse número quase dobrou, foram 49.

- Eventos: a promoção ou participação em eventos é uma excelente estratégia de popularização da ciência. Por isso, o instituto participa anualmente Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. Entre os resultados, o alcance de mais de 15 mil pessoas, entre 2010 e 2017 e mais de 38 mil publicações distribuídas. Outra iniciativa é o Simpósio sobre Conservação e Manejo Participativa na Amazônia e a Semana de Meio Ambiente.

- Publicações: com o objetivo de disseminar práticas de manejo de recursos naturais e de conservação, o Instituto Mamirauá publica anualmente protocolos, boletins de monitoramento de desembarque pesqueiro, cartilhas e livros. Nos últimos anos, esse material vem sendo disponibilizado no site da instituição e, por isso, sua replicação tem se tornado imensurável. A unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) também mantém desde 1999, uma revista institucional, denominada “O Macaqueiro”, que alcançou três reconhecimentos em âmbito regional. Conheça esses reconhecimentos: 


 

- Mídias digitais: as mídias digitais têm se tornado uma importante estratégia de divulgação sobretudo pela capacidade de alcance, tanto nacional, como internacional. Essas ações envolvem a divulgação em redes sociais (Facebook, Instagram e Youtube), a produção de vídeos, o programa de rádio “Ligado no Mamirauá” e o website, cujos resultados de alcance pode ser acompanhado a seguir:

- Relacionamento com a imprensa: envolve o atendimento e a aproximação com veículos de comunicação visando associar a imagem do Instituto Mamirauá com a conservação da Amazônia e o desenvolvimento de pesquisa científica. Em 2017, as ações de repercussão do Instituto Mamirauá na imprensa resultaram no alcance de 1.733 notícias. Esse alcance significa uma média de 4,75 notícias/dia, 1,6 notícias por dia em um veículo de grande média/grande audiência e 34% de notícias veiculadas no exterior.

Museu Paraense Emilio Goeldi, outra instituição de pesquisa do MCTIC, cuja sede é a cidade de Belém, no Pará, foi a outra instituição da região Norte a receber esse reconhecimento, no ano de 1987.

Edição: Eunice Venturi, com informações do CNPq e do MCTIC

 

 

Últimas Notícias

Comentários

Receba as novidade em seu email: