Instituto Mamirauá promove encontro de manejadores de pirarucu em Tefé (AM)

Publicado em:  3 de agosto de 2015

O Instituto Mamirauá, unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, realizou entre os dias 30 e 31 de julho o 8º Encontro de Manejadores de Pirarucu e a 9ª Rodada de Negócios de Pirarucu, em Tefé (AM). Durante os eventos, pescadores, técnicos e compradores discutiram perspectivas, avaliaram os resultados das ações de manejo e planejaram sua melhoria, bem como a comercialização da próxima produção. 
 
Um dos assuntos abordados foi a autogestão dos grupos, de forma que possam assumir todas as etapas do manejo, independente da assessoria técnica do Instituto Mamirauá. “Nós trabalhamos para que os grupos mais experientes, no caso os pescadores urbanos, possam assumir todas as etapas do manejo, inclusive articulando com o Ibama e elaborando o relatório com o pedido de quota de captura, atualmente feito pelo Instituto Mamirauá. Quando isso for possível, o Instituto poderá assessorar novos grupos de manejo”, disse Ana Claudia Torres, coordenadora do Programa de Manejo de Pesca. 
 
No ano passado foram realizadas oficinas de elaboração de relatórios das atividades de manejo, entre abril e junho, em duas frentes de trabalho: uma com as Colônias de Pescadores Z-4 (Tefé) e Z-23 (Alvarães), e outra com a Colônia de Pescadores Z-32 e o Sindicato de Pescadores (Maraã). “Então, para que a gente possa auxiliar outros grupos, os que estão há mais tempo, vão ter que assumir maiores responsabilidades nesse processo. Essa é a nossa intenção. Mas é de uma hora para outra? Não. Mas nós estamos trabalhando para que isso aconteça”, afirmou. 

Segundo Natazildo de Almeida, presidente da Colônia de Pescadores Z-4, de Tefé, a equipe tem pessoas que já estão trabalhando para elaborar o relatório. “Nós vamos ter pessoas para fazer, com toda certeza, mas a gente precisa treinar pessoas para isso. Mas a gente já está planejando o trabalho prevendo essa responsabilidade para as colônias. Tem que ser uma atividade bem feita. Acho que vai dar certo, se “Deus” quiser”, afirmou o presidente. 
 
A rodada de negócios terminou na sexta-feira, dia 31 de julho, e estavam à disposição para serem comercializados 12.675 pirarucus correspondentes as quotas autorizadas pelo Ibama para 2015. As propostas de preço por quilo do peixe inteiro eviscerado variaram entre R$ 5,00 e R$ 7,00. A temporada de pesca deve iniciar na segunda quinzena de outubro e estima-se que o faturamento ultrapasse 3 milhões de reais. 
 
Texto: Eunice Venturi
 

Últimas Notícias

Comentários

Receba as novidade em seu e-mail: