Instituto Mamirauá integra seminário sobre pesca manejada e piscicultura na Amazônia

Publicado em: 25 de junho de 2018

Em Belém do Pará, seminário reuniu cientistas e centros de pesquisa e assessoria para debater o desenvolvimento sustentável do setor pesqueiro na Amazônia brasileira

Apesar de ser umas forças econômicas da região, ainda falta organização para a cadeia produtiva da pesca na Amazônia. Esse é um dos diagnósticos do “Seminário de Desenvolvimento Sustentável da Pesca Manejada e a Piscicultura na Amazônia”. Organizado pela Sociedade para Pesquisa e Proteção do Meio Ambiente (Sapopema), o evento uniu academia e órgãos do governo no debate sobre rumos futuros para o setor pesqueiro na Amazônia Legal. O seminário aconteceu nos dias 21 e 22 de junho de 2018, na capital paraense, com a presença do Instituto Mamirauá.

Unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), o Instituto Mamirauá realiza pesquisas sobre a ecologia e biologia de espécies comerciais de peixes e oferece assessoria ao manejo de pesca na Amazônia. O pirarucu (Arapaima gigas), peixe valorizado nos mercados nacional e estrangeiro, é uma das espécies foco do instituto, em quase 20 anos de trabalho na região.

A metodologia de manejo participativo de pirarucu em regiões de várzea (as florestas alagáveis) é incentivada pelo instituto e do Médio Solimões, onde se consolidou, já foi replicada em outras partes da Amazônia. A diretora de Manejo e Desenvolvimento do Instituto Mamirauá, Isabel Soares de Sousa, levou parte dessa experiência para o seminário com a palestra “Programa de Capacitação dos Manejadores do Pirarucu”, realizada na tarde de sexta-feira, 22 de junho.

“A geração de renda, a expansão de sistemas de lagos em regime de manejo, a inclusão de pescadores da área urbana dos municípios do entorno das Unidades de Conservação, através de Acordos de Pesca, são todos indicativos de que a proposta de conservação adotada está sendo consolidada”, afirma a diretora.

Ações de divulgação e compartilhamento de saberes sobre o manejo de pirarucu na Amazônia feitas pelo Instituto Mamirauá contam com financiamento da Fundação Gordon and Betty Moore.

Além do Instituto Mamirauá, organizações como Museu Goeldi, Peixe BR, SEDAP, Earth Innovation Institute, UFOPA, SEMAS-PA, SEMMA-AM e UFPA participaram do evento. O “Seminário de Desenvolvimento Sustentável da Pesca Manejada e a Piscicultura na Amazônia” aconteceu na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), bairro do Marco, em Belém.

Texto: João Cunha

 

Últimas Notícias

Comentários

Receba as novidade em seu e-mail: