Estudo traz resultados de análise da caça esportiva no Brasil, a partir de vídeos no Youtube

Publicado em: 11 de Janeiro de 2016

A expansão da internet no Brasil, no início da década de 1990, contribuiu para a constituição de uma nova cultura de compartilhamento de informação. Com a possibilidade de publicação de conteúdos em vídeo, áudio ou texto, indivíduos de toda parte do mundo compartilham suas opiniões, assim como têm acesso a informações de diferentes temas.

Pesquisadores do Instituto Mamirauá, unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, estão utilizando a internet como um possível objeto de estudo. Para avaliar a ocorrência da caça esportiva no Brasil, identificar o perfil dos caçadores e a opinião dos usuários da internet sobre o assunto, o Instituto Mamirauá desenvolve uma pesquisa científica, tendo como base conteúdo publicado no Youtube. A pesquisa, realizada desde 2014, teve os resultados publicados em artigo científico no volume 20 da revista Ecology Society.

Os autores do artigo enfatizam que os resultados da pesquisa demonstram que são necessárias ações do Governo para aumentar a vigilância ou legalizar programas de caça esportiva no Brasil. Essas ações poderiam contribuir para decisões políticas eficazes para a conservação da vida silvestre no país.

Hani Bizri, um dos autores do artigo, comenta sobre a importância da abertura para a discussão desse assunto no país, levando em conta a opinião pública, a partir de resultados como o exemplificado pela pesquisa, que analisa, entre outros fatores, os comentários publicados no site. “Os vídeos representam uma fonte de dados importantes para suprir a demanda sobre o conhecimento da atividade de caça no Brasil. Percebemos que a maioria dos vídeos apresenta eventos de caça esportiva, aquela realizada pelo prazer da caçada e de consumir carne de caca, e não por necessidade de comida, por subsistência, a qual é garantida pela lei”, reforçou Hani.

O pesquisador comenta que historicamente há exemplos bem-sucedidos de programas de caça esportiva, assim como programas com falhas que podem causar impacto às populações de animais silvestres. De acordo com Hani, essas experiências poderiam servir de base para traçar estratégias viáveis para a realidade brasileira.

Entre esses exemplos está a caça esportiva a fim de controlar populações de espécies nativas ou introduzidas, em crescimento populacional descontrolado. Como é o caso da autorização para caça do javali, espécie exótica no Brasil, concedida em instrução normativa do Ibama para controle da população e redução de danos ambientais e econômicos. A África também possui algumas inciativas bem-sucedidas, em 23 países, que valorizam a caça esportiva, especialmente como atividade turística, contribuindo para geração de renda para as comunidades rurais envolvidas.

Em contraponto, muitas ações de governos acabaram por gerar polêmica e desequilíbrio ambiental. Como é o exemplo de programas de caça esportiva implantados no México, que em função de dificuldades de manutenção da infraestrutura, treinamento pessoal, entre outras, vem causando grandes impactos nas populações de animais caçados. No Brasil, já foi autorizado no passado um programa de caça esportiva para algumas espécies de ave no Rio Grande do Sul, que foi revogado cinco anos depois.

De acordo com Hani, a pesquisa levanta dados substanciais para uma percepção sobre a atividade, e é possível inferir sobre alternativas para solucionar os impactos da caça esportiva no Brasil. “Para uma estratégia de conservação ser viável, ela precisa levar em conta as opiniões dos atores envolvidos. Seja qual for a estratégia adotada, ela tem que envolver uma melhoria substancial na fiscalização e monitoramento da caça no Brasil, especialmente em áreas protegidas, além de ações de conscientização ambiental”, afirmou o pesquisador. 

“Uma estratégia poderia ser a criação de programas de caça sustentável. A lei no Brasil prevê que espécies cinegéticas sejam estudadas e que, anualmente, sejam divulgadas listas das espécies que possam ser caçadas mediante autorização. Essa é uma estratégia polêmica e arriscada”, comentou Hani.  

Na legislação brasileira, a caça esportiva já foi autorizada no passado, o que contribui para que a atividade se tornasse uma prática cultural no país. Mas, em 1967, a lei de proteção da vida silvestre criminalizou a caça de animais silvestres e a comercialização de produtos ou objetos que impliquem na caça, em todo o país.

Metodologia

Por meio de vídeos postados no site Youtube, a equipe pesquisou a veiculação da atividade de caça de mamíferos no Brasil, usando como chave para a busca a expressão “caça” + “nome do animal”. Entre os animais contemplados na pesquisa estavam anta, paca, tatu, queixada, catitu, veado e cutia.

Foram avaliados 383 vídeos, com mais de 15 milhões de visualizações no total. A maior parte dos vídeos foi publicada nos meses de julho e dezembro, coincidindo com os dois principais períodos de férias no país. A análise indica que os caçadores esportivos brasileiros são residentes urbanos, possivelmente de bom poder aquisitivo.

Para cada busca, foram analisadas as 10 primeiras páginas de resultados, e registradas informações como o local de postagem, a duração do vídeo, o número de visualizações, o método de caça utilizado, entre outras informações.

Categorias gerais foram definidas para os vídeos, que poderiam ser de propagandas de armas ou cães, de eventos de caça em si, com ou sem sucesso de abate, ou vídeos de instrução, relacionadas às técnicas de caça e uso de instrumentos. Os 20 primeiros comentários foram considerados e classificados como contra ou a favor da atividade de caça. A partir daí outras categorias foram delimitadas, como comentários que citam a ilegalidade, a imoralidade, ou se criticam a atividade em si.

Além de Hani, também assinam o artigo científico Thaís Morcatty, Jéssica Lima e João Valsecchi, que integram a equipe do Instituto Mamirauá. O projeto foi realizado com recursos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic).

Texto: Amanda Lelis e Vanessa Eyng

Últimas Notícias

Comentários

Receba as novidade em seu email: