Com premiação, lançamentos e divulgação científica, Instituto Mamirauá participa da SBPC

Publicado em: 16 de julho de 2018

Conservação da biodiversidade, manejo de recursos naturais e qualidade de vida para as populações amazônicas são algumas das linhas de frente que o instituto vai mostrar na 70ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Evento começa nesse domingo (22), em Maceió. Confira a programação

Os maceioenses vão ficar mais perto da Amazônia durante a 70ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). O evento, que acontece entre os dias 22 e 28 de julho, traz à capital alagoana um panorama do que há de mais novo nos avanços da ciência no país e os centros amazônicos de pesquisa marcarão presença. Conheça agora o Instituto Mamirauá, que vem do Amazonas apresentar casos de sucesso em conservação e manejo de recursos naturais e um retrato do universo das águas e matas do maior bioma no Brasil.

Instituto vai receber prêmio de divulgação científica

Premiação que reconhece pessoas e instituições que fazem divulgação de ciência no país, o Prêmio José Reis é uma tradição entre a comunidade científica nacional. O ganhador da edição desse ano é o Instituto Mamirauá, pelos esforços em compartilhar com diversos públicos as atividades de pesquisa e extensão realizadas na Amazônia.

Na noite de domingo (22), durante a cerimônia de abertura da 70ª Reunião da SBPC, o diretor-geral do Instituto Mamirauá, Helder Queiroz, vai receber o troféu do Prêmio José Reis em nome da instituição. A solenidade é aberta ao público e acontecerá no Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso (s/n, Rua Celso Piatti - Jaraguá, Maceió).

Direto da Amazônia, histórias de conservação

Beirando os 20 anos de história, o Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá trabalha para a conservação da biodiversidade, manejo de recursos naturais e melhoria da qualidade de vida na Amazônia. Sediado em Tefé, cidade no centro do território amazonense, o instituto é formado por programas de pesquisa e assessoria ao manejo e outras práticas sustentáveis.

Dos diversos ecossistemas amazônicos, a especialidade do Instituto Mamirauá são as várzeas, as florestas alagáveis, que seguem o ritmo dos rios da região, entre períodos de cheia e seca. São nesses ambientes que é feito a pesca manejada de pirarucu e o manejo florestal, atividades de baixo impacto à natureza e que revertem renda para as populações locais, com a assessoria especializada do instituto.

O Instituto Mamirauá é uma das unidades de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) na Amazônia.

Em exposição, ciência, tecnologia e realidades da Amazônia

O ponto de encontro do público com o Instituto Mamirauá é a ExpoT&C, uma mostra gratuita de ciência, tecnologia e inovação que será montada no campus da Universidade Federal do Alagoas (UFAL), sede da reunião da SBPC nesse ano.

No estande “Biomas e Clima”, um grupo de pesquisadores e técnicos do Instituto Mamirauá vai receber os visitantes com uma exposição interativa de vídeos, fotos e publicações sobre conservação da biodiversidade e manejo de recursos da natureza, como as árvores e peixes regionais. Entre os destaques, o lançamento da websérie “Mãos que conservam a floresta”, sobre as duas décadas de manejo florestal em florestas de várzea.

Diálogos com especialistas

Quem for à 70ª Reunião SBPC em Maceió também vai ter momentos de encontro e conversa com especialistas de diversas instituições de ciência, incluindo a equipe do Instituto Mamirauá. Na segunda-feira, dia 23 de julho, a partir das 16h30, é o momento dos “Diálogos com o MCTIC”.

“O gigante amazônico: manejo sustentável de pirarucu” é o tema do debate com a coordenadora do Programa de Manejo de Pesca do Instituto Mamirauá, Ana Cláudia Torres. O famoso pirarucu é um dos principais peixes para a cultura e economia da Amazônia e vem ganhando projeção nacional e internacional na gastronomia. Há vinte anos, o Instituto Mamirauá incentiva e assessora o manejo sustentável da espécie feito por populações tradicionais da Amazônia.

 

Depois do bate papo, acontecerá o lançamento do livro digital “O gigante amazônico: manejo sustentável de pirarucu”, que traz um diagnóstico de 20 anos de manejo do peixe e conta histórias de pescadoras e pescadores envolvidos na atividade.

Em seguida, é a vez de “Manejo Florestal Comunitário na Várzea da Amazônia: perspectivas e desafios”, palestra conduzida por Elenice Assis, técnica do Instituto Mamirauá. Sustentável e comunitário, o manejo florestal feito com assessoria do Instituto Mamirauá chega a vinte anos de atuação nas várzeas da Amazônia.

 

Visite a 70ª Reunião da SBPC, em Maceió

Organizada pela Sociedade Brasileiro para o Progresso da Ciência, as reuniões anuais são momentos de encontro entre cientistas e a sociedade em geral para compartilhar temas de ciência, tecnologia e inovação. Na programação, exposições, palestras, lançamentos e apresentações culturais.

O campus da Universidade Federal do Alagoas (UFAL) em Maceió é a sede dessa edição da Reunião da SBPC. O campus A.C. Simões da universidade fica na Avenida Lourival Melo Mota, na capital alagoana. A entrada é gratuita e aberta ao público. Saiba mais: http://ra.sbpcnet.org.br/maceio

Texto: João Cunha

 

Últimas Notícias

Comentários

Receba as novidade em seu email: